"Sua Casa Fora de Casa"
Fonte: g1
Autor: g1

O Brasil registrou nesta quinta-feira (5) a chegada do turista estrangeiro número 6 milhões em 2013. O dado é um recorde histórico e foi celebrado pelo governo com festa para uma visitante argentina que chegou ao Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, e foi escolhida para representar a marca.

Uma avaliação do cenário mundial, porém, revela que o Brasil está muito atrás de outros destinos na atração de turistas internacionais.

Até outubro deste ano, por exemplo, apenas a Catalunha (região da Espanha onde fica a cidade de Barcelona) havia recebido mais do que o dobro de visitantes internacionais do que todo o Brasil: 14 milhões.

A cidade de Londres sozinha também recebeu, nos seis primeiros meses de 2013, mais turistas estrangeiros do que o Brasil no acumulado do ano: foram 7,9 milhões de pessoas.

Ônibus turístico em Barcelona, capital da Catalunha (Foto: Friso Gentsch/DPA/dpa Picture-Alliance/AFP)Ônibus turístico em Barcelona, capital da Catalunha
(Foto: Friso Gentsch/DPA/dpa Picture-Alliance/AFP)

“Considerando o tamanho e os recursos do Brasil, o número [de 6 milhões] é bastante baixo”, disse ao G1 John Kester, responsável pela área de tendências do turismo e estratégias de marketing da Organização Mundial do Turismo (OMT).  “O turismo interno ainda é muito importante no país. A abertura para o turismo internacional está apenas começando”, completa.

Em 2012, o Brasil foi o 45° lugar no ranking dos países que mais receberam turistas internacionais, atrás de países como Malásia, Áustria, Marrocos e Tunísia.

Dados da OMT mostram que, em 2012, o Brasil foi o 45º lugar no ranking dos países que mais receberam turistas internacionais, com 5,7 milhões de visitantes. Países como Malásia, Áustria, Cingapura, Marrocos, Vietnã e Tunísia ficaram mais bem colocados. A França, primeiro lugar da lista, recebeu 83 milhões de pessoas.

Entre os países emergentes do Brics, o Brasil foi o último. A China ficou em terceiro lugar, com 57,7 milhões; a Rússia, em nono, com 25,7 milhões; a África do Sul, em 29° lugar, com 9,2 milhões; e a Índia, em 41°, com 6,6 milhões.

Na América Latina, o primeiro lugar foi o México, com 23,4 milhões de visitantes internacionais. A Argentina veio logo depois do Brasil, com 5,6 milhões.

Segundo especialistas, são vários os fatores responsáveis pela má posição do Brasil no ranking. Entre eles, preços altos e baixa competitividade em relação a outros destinos, malha aérea insuficiente, pouca divulgação do destino por parte do governo e de entidades privadas, e a localização do país. Veja alguns deles a seguir.

Turistas em Cancun, no México (Foto: Stephane Frances/Only World/Only France)Turistas em Cancun, no México; 80% dos
estrangeiros no país vêm dos EUA
(Foto: Stephane Frances/Only World/Only France)

Localização geográfica
Para Kester, da OMT, o fato de o Brasil estar distante dos países que são os principais emissores de turistas internacionais, como EUA, China e Rússia, é um entrave. Comparados a eles, os países mais próximos do Brasil, como Argentina, Chile, Uruguai, ainda são um mercado pequeno.

O México, por exemplo, beneficia-se da proximidade com os Estados Unidos – 80% de seus visitantes estrangeiros vêm de lá, segundo Flávio Dino, presidente da Embratur (órgão do Ministério do Turismo responsável pela promoção do Brasil no exterior).

Dino ressalta que globalmente, o turismo internacional é principalmente de fronteira. Segundo ele, 85% dos turistas que circulam pela Europa, por exemplo, vêm de países de dentro do continente. No Brasil, apesar de os argentinos serem maioria entre os turistas estrangeiros, o turismo intrarregional não está consolidado, acrescenta Dino.

Malha aérea deficiente
A dimensão continental do Brasil, somada à falta de transporte ferroviário na América do Sul e à existência de barreiras geográficas como a Cordilheira dos Andes e a Amazônia, dificulta o transporte por terra e exige o uso de avião mesmo para turistas de países fronteiriços. E então a pouca oferta de voos internacionais diretos atrapalha.

SIGA-NOS: